Café solúvel

tratamento anaeróbio de despejos da produção

Autores

  • Alcides Diniz Garcia Jr. CETESB
  • Luiz A. Valle do Amaral CETESB
  • Maria de Lourdes M. Vicente CETESB
  • Marcos Eduardo de Souza
  • Wanderley Borba CETESB

Palavras-chave:

tratamento anaeróbio, reator de fluxo ascendente, reator UASB, efluentes industriais, café solúvel

Resumo

Um despejo típico da produção de café solúvel foi submetido a testes de tratabilidade em digestor anaeróbio de fluxo ascendente e manto de lodo (UASB), em escala de laboratório, por um período de cinco meses. Durante os testes foi possível atingir um tempo mínimo de detenção hidráulica de 2,1 dias. Os resultados obtidos em duas condições médias indicaram produção de gás da ordem de 0,3 Nm3/kgDQO adicionada, contendo cerca de 75% de metano, assim como uma remoção de D8O de cerca de 90%., Estes resultados permitem prever bom desempenho para um sistema de tratamento em escala real operando sob tempos ·de detenção hidráulica bastante inferiores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alcides Diniz Garcia Jr., CETESB

Engenheiro Químico da CETESB, Mestre em Engenharia

Luiz A. Valle do Amaral, CETESB

Farmacêutico-bioquímico da CETESB

Maria de Lourdes M. Vicente, CETESB

Estagiária da CETESB

Marcos Eduardo de Souza

Engenheiro Químico Consultor, Mestre em Engenharia

Wanderley Borba, CETESB

Analista de Laboratório da CETESB

Downloads

Publicado

1988-01-01

Como Citar

GARCIA JR., A. D.; AMARAL, L. A. V. do; VICENTE, M. de L. M.; SOUZA, M. E. de .; BORBA, W. Café solúvel: tratamento anaeróbio de despejos da produção. Revista Ambiente, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 19–22, 1988. Disponível em: https://revista.cetesb.sp.gov.br/revista/article/view/51. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos